Þingvellir

Foi neste local que no ano 930Dc, foi fundado o primeiro parlamento do mundo. 

Era aqui que os habitantes se reunião anualmente, para que o Lögmaður (o homem de leis) declara-se as as leis em público. Além da proclamação de leis, ainda ocorriam julgamentos. 

A independência islandesa foi proclamada neste local em 17 de Junho de 1944.

O parque foi proclamado como Património da Humanidade em 2004.

Um pouco de historia.

Þingvellir, o vale das assembleias e dos tribunais, é uma zona de falhas geológicas paralelas resultante do afastamento de duas grandes placas tectônicas: a da América do Norte, a Oeste, e da Eurasiática a Este. Estas duas muralhas afastam-se a a uma velocidade de 3 cm por ano.

O cenário foi escolhido como local de reunião dos chefes de clãs nórdicos e celtas no ano 930, quando a colonização da Islândia ainda nem havia completado um século. As assembleias Alþingi, aconteciam sempre na primavera. Uma multidão convergia para lá a pé e a cavalo, para acampar junto ao rio durante pelo menos duas semanas. Os chefes de clãs se revezavam no poder executivo por períodos de três anos. Discutiam as questões políticas, faziam discursos e recitavam as leis comuns do alto de uma rocha chamada de   Lögberg ou Pedra da Lei. Também organizavam tribunais, nos quais a maioria dos crimes julgados eram casos sérios de incesto e adultério. O veredicto era definitivo e os culpados eram afogados ali mesmo. 

Foi neste local que no ano 1000Dc, Thorgeir Thorkelsson, o presidente do Parlamento  e sacerdote pagão, decidiu a favor do cristianismo, depois de um dia e uma noite de meditação silenciosa sob um cobertor de peles. 

O parlamento de Þingvellir continuou a funcionar até 1798, mesmo quando a Islândia esteve subordinada ao reino da Noruega (1262 a 1380) e durante parte do período sob o domínio da Dinamarca (1380 a 1944), embora severos cataclismos tenham obrigado a alguns intervalos nas assembleias ao ar livre. A partir de 1844, a assembleia nacional foi reorganizada em Reykjavik. Mesmo assim, as grandes festas políticas, como a da promulgação da primeira constituição islandesa em 1874, são celebradas no vale histórico.

Hoje Þingvellir é um parque nacional de 9.270 hectares, cheio de trilhas, pontes e relvados floridos (na primavera ou no verão) ou campos de neve (no outono e no inverno). O parque foi criado em 1928 como “um santuário nacional protegido, dedicado a todos os islandeses como propriedade perpétua da nação islandesa sob a preservação do Parlamento, para nunca mais ser vendido ou hipotecado“. Em 2004, tornou-se também Patrimônio Mundial, reconhecido pela Unesco. 

Fonte: https://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/viajologia/noticia/2013/08/bthingvellirb-assembleia-de-clas-que-se-transformou-em-parque-nacional.html

Caminhada por Þingvellir

1º Entrada ( Dorsal Mesoatlântica )

A Dorsal Mesoatlântica (DMA), é a designação dada às grandes cadeias de montanhas submersas nos oceanos que resultam do lento afastamento das placas tectónicas Norte-americana e  Euro-asiática.  Os pontos mais elevados desta cordilheira emergem em vários locais, formando ilhas, que é o caso da Islândia e também os Açores.

2º Lögberg ( A pedra da lei )

A localização exata de Lögberg é desconhecida por causa da mudança de geografia ao longo de 1000 anos. Actualmente está marcado por um mastro.

Era junto à Lögberg que se discutiam questões politicas e se organizavam tribunais onde eram discutidos os crimes, muitos deles por incesto.

3º Drekkingarhylur ( Piscina dos afugamentos )

Após discutida e dada a sentença, entre 1602 a 1750 foram condenadas por incesto 18 mulheres as quais foram afogadas neste lago.

A estas sentenças podemos adicionar 30 decapitações, 15 enforcamentos e 9 pessoas queimadas vivas, com os 18 afogamentos, dá um total de 72 execuções conhecidas em Þingvellir durante esse período. 

Intervenções consideráveis do rei dinamarquês ajudaram a acabar com o derramamento de sangue, e as penas foram drasticamente suavizadas em 1838.

4º Öxarárfoss

Öxarárfoss é formada pelo fluxo de agua do rio Öxará que cai de para uma das fendas da Dorsal Mesoatlântica (DMA) e vai desaguar no lago Þingvallavatn que é o maior da Islândia. 

 

5º Igreja

O paganismo foi amplamente aceito desde o início do período de colonização, embora alguns colonos fossem quase certamente cristãos. Os islandeses adoravam os deuses antigos com sacrifícios. Ao mesmo tempo, a prática do cristianismo estava se espalhando nos países vizinhos.

 

Antes do ano 1000, várias tentativas de espalhar o cristianismo para a Islândia foram feitas com resultados variados, mas as práticas pagãs ainda eram rápidas. 

Então, no verão de 1000, aconteceu um grande evento no Alþing em Þingvellir. O Caos ameaçou a sociedade jovem quando o Parlamento foi dividido em 2 grupos: pagãos e cristãos. Cada facção tinha seu próprio Presidente e recusava-se a reconhecer as leis do outro lado. Os os lados concordaram que , o presidente da lei pagã, deveria decidir qual religião que todos os islandeses deveriam seguir. Thorgeir escondeu-se por uma noite e um dia, depois caminhou até á Lögberg e declarou publicamente que os islandeses deveriam assumir o cristianismo, embora os pagãos, possam continuar a praticar sua religião em segredo.

O discurso de Thorgeir marcou um ponto de viragem na Islândia, e o cristianismo começou a fazer parte da sociedade islandesa sem recorrer a armas ou derramamento de sangue.

O cristianismo torno mais fácil a entrada para outras culturas estrangeiras entrarem na Islândia. A primeira igreja foi construída em Þingvellir logo após a adopção do cristianismo. Dizem que foi feito com madeira doada pelo rei norueguês, que também doou um sino que foi usado para sessões parlamentares.

Pouco depois de a Islândia ter adotado o cristianismo, o rei Olaf da Noruega enviou madeira e um sino, para construir uma igreja em Þingvellir, que já esteve no mesmo local.

A igreja inicial, provavelmente era bastante grande, já que o Lögrétta tinha que se encontrar lá com outros sacedotos, quando não era possível se encontrar lá fora. A igreja actual remonta a 1859 e é chamada Þingvallakirkja. 

No verão de 2000, os islandeses celebraram o milénio do cristianismo com um festival de 2 dias em Þingvellir, no qual milhares de pessoas se reuniram.

 

 Uma janela em Akureyrarkirkja, a Catedral de Akureyri, ilustra essa história.

 Thorgeir Thorkelsson (Islandês: Þorgeir ÞorkelssonThorgeir )  

5º A fissura de Silfra

Silfra fica situada no lado Þingvallavatn. Aqui podem-se aventurar a mergulhar entre a DMA.

A agua é tão limpa que a visibilidade chega aos 100m.

Existem agencias que organizam tours para mergulhos neste local.  

Close Menu